sábado, 21 de julho de 2007

42 - Estrutura de Eucalipto, Terminada!


Três semanas foi o tempo que demorou a montagem deste LEGO de 311 peças. 47 pilares, 20 lintéis, 22 vigas, 121 tarugos, e 101 contraventamentos. Para uni-las usámos 196 cantoneiras metálicas primárias, 300 cantoneiras metálicas secundárias, 188 buchas metálicas para betão, 360 parafusos M12, 360 porcas M12, 850 anilhas M12 largas, 35 metros de cabo de aço Ø 8mm, 4 esticadores, 16 serra-cabos, 8 manilhas, 400 cavilhas, 500 parafusos para madeira; gastámos 5 berbequins, 3 serras circulares, 15 brocas, e ainda muito suor.
Poderia ter corrido melhor mas também poderia ter corrido muito pior. Salvo alguns desaprumos e desalinhos – que não excedem 1 cm no seu todo - as coisas estão no sítio e fixas entre si, e isso é o mais importante.
É facto que este resultado não foi atingido sem uma dose elevada de dificuldades e constrangimentos: nos métodos de montagem, nos problemas com o equipamento técnico, na dureza e peso da madeira, no entendimento entre os diversos profissionais envolvidos (nos quais eu me incluo), etc. Mas convenhamos, termos chegado até este ponto e a casa estar como está, é um indubitável sucesso.
Um dos principais riscos nesta amálgama construtiva foi o Eucalipto ter sido a espécie de madeira escolhida para a estrutura (ver posts 05, 20 e nota pessoal 04). Agora, com a ossatura montada, penso que estes eucaliptos têm tido, até ver, um comportamento excelente. A grande maioria deles tem respondido a sol, chuva e ‘desapoios’ com parcos ou nenhuns empenos. Parecem mesmo ter uma idade respeitosa que lhes acalma os movimentos. Que tenham um ‘descanso eterno’ no caixão em que os vamos envolver!

3 comentários:

Jota disse...

Na foto não parece caber todo esse número de peças, nem se vêem os cm’s de desalinhos, nem ecoam os problemas de entendimentos entre os profissionais. Mas a serenidade dos Eucaliptos é ar que ilumina toda fotografia. Uma bonita homenagem à madeira: o que lá está feito e o que aqui está escrito!

Rui Pedro Lérias disse...

Que o eucalipto mantenha ao longos dos anos a tenacidade que tu demonstraste nestas três duras semanas, Francisco.

Ocorre-me que esta madeira, resultante de eucaliptos sujeitos a incêndios, usufrua agora de ter sido exposta anteriormente, e por acaso, a temperaturas muito altas mas adequadas. A termorrectificação é um processo de tratamento térmico da madeira que melhora o seu comportamento durante e após a secagem. Talvez circunstâncias felizes tenham, afinal, ajudado.

Mas a sorte destes eucaliptos foi mesmo terem sido processados pelo Plano B, escapando à provável sina que o Plano A lhes destinava: pasta de papel.

Está bonita a estrutura, não está? Eu acho que sim. Será mais doce o resultado para quem tanto suou por ele. Os louros são de quem desenhou e lutou para levar a estrutura de madeira a bom porto. Espero que o resultado final vos alegre e satisfaça.

Anónimo disse...

Casa caleidoscópio, abraçada por carvalho.

Ai hão de viver pássaros azuis.

Encantada

Esmeralda