sábado, 12 de maio de 2007

11 - TEREX

TEREX é uma marca americana concorrente da CATERPILLAR. Dizem que é uma máquina que dura 12 mil horas de trabalho. Hoje terá consumido 0,001 % da sua esperança de vida útil – 12 horas! Demoliu de manhã e escavou à tarde. E num ápice removeu as pedras que alguém construiu em 12 mil horas e a terra que a Natureza assentou em 12 mil anos.


2 comentários:

Rui Pedro Lérias disse...

Desde 1996 que tenho um par de botas Caterpillar. Sempre que se estragam, compro logo outro igual.
Já os 'bulldozers' é diferente. Estão sempre nas notícias, a deflorestar a Amazónia, a derrubar casas nos territórios ocupados da Palestina (antes só derrubavam de Palestinianos, agora também derrubam de Israelitas), a construir bloqueios em Bagdade. Dita a boa prática liberal-progressista que devem ser boicotados.
Qual não foi o meu alívio quando a máquina que apareceu era Terex...
Sim, sim, eu sei que é dos malfadados EUA, que os meus amigos me vão chagar a cabeça por incoerência (só para me chatear, que a maior parte está-se nas tintas). Mas ao menos não é Caterpillar!

PS-Já o maquinista é um 'velho' conhecido meu. Isto a vida tem cada uma. Há um ano atrás assisti ao longe a um depósito de material de um camião num terreno no cimo do monte, pertencente a vizinhos. Já há algum tempo que os depósitos ilegais de entulho nesses terrenos eram um problema. Armei-me em garanhão, meti-me no carro e fui 10 kms atrás do camião para ver de onde vinha o entulho, poder informar o meu vizinho, e ele que fizesse queixa se quisesse.
Ao chegar à obra, ainda dentro do carro, informei o camionista que tinha assistido ao depósito e que informaria a quem de direito. Os trabalhadores, sem saberem o que se passava mas vendo um intruso com ar pouco simpático numa altercação com o maquinista, começaram a dirigir-se a onde eu estava com ar de quem me iria 'cumprimentar' e no meio de protestos do camionista de que 'não era nada disso' - quando para mim era tudo muito óbvio - desandei. E rapidamente que o ambiente era hostil!
Quando telefonei aos vizinhos em causa (o terreno poderia ser de dois vizinhos diferentes) para dizer o que se passava (a minha preocupação até ali tinha sido saber de onde vinha o camião) fui informado que estavam a depositar material sim, mas solo das escavações para melhorar o solo esquelético do terreno no cimo do monte e que ele tinha autorizado tudo...
Enfim, a minha intenção era boa!
Agora, parece que o condutor da escavadora me reconheceu desse incidente. A próxima vez que o vir, tenho que lhe apresentar as minhas desculpas. Devia tê-lo feito na altura, mas pedi ao meu vizinho para o fazer por mim. Digamos que não achei que fosse bem vindo de volta na obra e me fosse dada oportunidade para me explicar antes que pudesse acontecer alguma coisa (preconceitos meus, está claro). Ou seja, não tive 'tomates' para tanto que já os tinha gasto todos por um dia!

raquel disse...

:)